Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Primeiras impressões

13.10.12publicado por Gato Pardo

Este post começa 17 anos atrás.

O dia em que um gato preto decidiu que havia de fazer parte da minha vida. Sim, porque por alguma razão acredito que são os animais que nos escolhem e não o contrário. Pancadas. Adiante...

O gato tinha algumas particularidades. Gostava de fazer rally no tapete do hall de entrada, mastigar pantufas felpudas e um apreço considerável por afiar as unhas onde não devia. Portanto, um felino como qualquer outro.

Mas demonstrava também uma personalidade vincada. Quando lhe era oferecido camarão (o que é um deleite para qualquer felino que se preze), o gajo olhava de lado. Principalmente se o tamanho do dito não andava entre os 40/60 por kg. Mais pequeno que isso o sacana lançava um olhar tipo "Deves estar a gozar, não? Vê lá se não queres que te apare essa barba mal semeada à unhada e te dê uma lata de whiskas de salmão à boca".

Personalidade. Capacidade de observação. E um mau feitio de bradar aos céus.

17 anos depois, o sacana continua vivinho da silva. Para gáudio de todos aqueles que o adoram. A começar por mim.

17 anos de gato correspondem se não estou em erro a 84 anos nossos.

Portanto, o gato é um idoso depravado (não eu, eu sou simplesmente depravado, não idoso...). Só que agora já não faz rally, limita-se a passear alegremente sobre o tapete e a arrastá-lo. Já não mastiga pantufas, limita-se a escondê-las. E provavelmente continua a afiar as unhas onde não deve mas agora fá-lo pela calada. A idade aguça o engenho.

Lembro-me de quando o vi pela primeira vez. Foi uma espécie de encontro imediato em 3º grau. Eu percebi que aquela bola de pêlo não era flor que se cheirasse e ele percebeu que tinha ali um gajo com tanto ou mais mau feitio que o dele.

As primeiras impressões não enganam. 17 anos depois ele adora-me e eu a ele. Soa abichanado, certo? It's a cat thing...

E é isso que este post aborda hoje. Primeiras impressões.

Diz a sabedoria popular que as primeiras impressões são enganadoras. Eu prefiro chamar-lhes superficiais. Não se deve tirar conclusões definitivas baseadas em tão pouco. Mas pode-se tirar algumas ilações. E guardar notas.

Sou gato de guardar notas mentais. Aqueles pequenos pormenores a que não se dá atenção nenhuma. E que dizem tanto sobre as pessoas.

Ontem relembrei-me de umas quantas notas mentais. Umas com 5 anos de existência, outras com 7. Mas todas elas com uma percentagem de acerto a rondar os 70%. Os restantes 30% são a margem de erro que dou para me provarem errado.

Como tantas vezes digo, existe uma razão válida para os gatos não observarem este mundo a cores. Tudo é mais nítido em sépia ou preto e branco. Até o que sabemos com tantos anos de existência.